Na atuação neuropsicopedagógica, além das atribuições do psicopedagogo de estudar características da aprendizagem humana, processos de ensinagem e

aprendizagem e a origem das alterações no processo de aprendizagem, o neuropsicopedagogo faz a identificação, o diagnóstico, e reabilita como também faz a

prevenção em relação às dificuldades e distúrbios de aprendizagem.

O neuropsicopedagogo, de posse de seus saberes na área das neurociências, deve elaborar pareceres técnicos/laudos de encaminhamento para neurologistas, pediatras e psiquiatras, auxiliando-os na identificação de um diagnóstico frente ao quadro de sintomas e queixa principal.

Vai atuar com os pais explicando a parte clínica do distúrbio e as condutas a serem desenvolvidas, com a intenção de realizar um processo sistêmico de tratamento e intervenção, dando a família, papel principal no sucesso desta intervenção.

A avaliação neuropsicopedagógica com ênfase clínica, deve, além do olhar e da escuta de todos os âmbitos psicopedagógicos, aprofundar nas questões neurológicas, na

análise das funções cognitivas do indivíduo e sua maturação, além de indivíduos com questões cognitivas, de memória e de atenção.

Pode e deve trabalhar com crianças, adolescentes, adultos e idosos como o psicopedagogo, além de aplicar testagens específicas nas questões das funções executivas.

Devemos entender que, da mesma forma que é importante este profissional saber utilizar instrumentos de avaliação neuropsicopedagógica, é necessário saber intervir e

mediar as funções cognitivas deficitárias, visando o sucesso cognitivo do sujeito!

As intervenções neuropsicopedagógicas devem ser organizadas de acordo com cada caso, o que não difere muito da intervenção psicopedagógica, sempre priorizando o

crescimento e amadurecimento cognitivos.

Danielle Manera Ramalho